quarta-feira, 10 de junho de 2015

AMOR | PACIÊNCIA DE SANTO


Se há adjetivo que me define perfeitamente é o da "teimosia". A minha mãe diz que não sabe de quem herdei este feitiozinho, de ser tão teimosa e casmurra. É verdade que o sou, mas também é verdade que é muito dificil admiti-lo que o sou. Bato o pé até que a minha consciência diga: "Já chega Dani. Estás a trespassar todos os limites". Pena é a minha consciência lembrar-me de tal facto por vezes tarde demais.

Mas para ele nunca foi tarde demais. Tem uma paciência de santo para os meus dramas e afins. Toda a vez que diz que vai embora, ele fica. De todas as vezes que me desligou o telefone porque já estava a ficar danado com a conversa, voltou a ligar. Todas as vezes que eu disse para ele ir e nunca mais voltar, ele voltou. 
Se por um lado eu sou teimosa, por outro ele é a pessoa  mais paciente que algum dia conheci. Escutou-me sempre. Resmungou cada vez que era preciso. Mas ficou. Voltou a telefonar e nunca partiu. 

Obrigada por toda essa tua enorme paciência para comigo. Obrigada por nunca desistires aqui da Dani. Se pudesse dava-te o Mundo, Tchico.

6 comentários:

Ella disse...

Tão bom ver ainda há amor e que as pessoas mesmo quando algo não é linear insistem porque sabem que o que vale a pena requer sempre esforço ;)

Cuca disse...

"Mas ficou. Voltou a telefonar e nunca partiu. "
Acho que isto diz tudo. É tão bom termos alguém ao nosso lado assim. Penso que toda a gente procura alguém assim..

Maria disse...

Tens muita sorte!

gisela pascoal disse...

O amor faz estas coisas. É bom ver que ainda existem amores como estes. Beijinho

http://giselapascoal.blogspot.pt/

Daniela Costa disse...

Vocês completam-se :) Eu também sou como tu, e sou tão orgulhosa que me recuso a dar o braço a torcer x)

Sara disse...

Nós somos iguais!! Que eles nunca percam a paciência :p